Pulpite necrose pulpar

Pulpite, necrose pulpar, abscesso dento alveolar

Pulpite, necrose pulpar, abscesso dento alveolar

A pulpite é a inflamação da polpa dentária, o tecido ricamente vascularizado (Angiologista DF) e inervado que está situado no interior dos dentes.
A causa mais comum da pulpite é a cárie dentária extensa que fica próxima à polpa ou que atinge e contamina diretamente a mesma. Os acidentes com pancadas e fraturas nos dentes também podem causar pulpite e necrose da polpa. A polpa está confinada às estruturas mineralizadas e duras dos dentes e, portanto, não tem espaço para inchar, desta forma, quando se inflama gera uma pressão muito forte dentro do dente. Se a inflamação for tratada adequadamente e precocemente o dente poderá sofrer um dano reversível; no entanto, a inflamação intensa poderá causar a necrose da polpa.

Como a pulpite é diagnosticada

Geralmente, o paciente com pulpite, sente dor com bebidas ou alimentos quentes ou frios, e ao mastigar. Para diagnosticar a pulpite existem os testes chamados testes de vitalidade pulpar. Normalmente feito com um estímulo frio, o dentista observa a reação do paciente quando estimula o dente afetado(aproxima ou encosta o material frio)  e compara com dentes tidos sadios. A estimulação pode ser feita também com calor, corrente elétrica e ou pequenas pancadinhas. A dor pode durar alguns segundos, alguns minutos ou o dente pode não responder. Se a dor demora a passar ou o dente não responde, possivelmente está com uma pulpite irreversível ou está necrosado.
Se a pulpite for reversível a dor cessa quando a causa é retirada, por exemplo, se um dente cariado for restaurado. Se o dano da polpa for extenso e irreversível, ficará indicado o tratamento de canal (tratamento endodôntico).

O tratamento endodôntico consiste na remoção do tecido pulpar necrosado e ou contaminado. O canal é limpo e preparado para receber a obturação que preenche o canal. Quando o dente necrosado e contaminado não recebe o tratamento adequado, pode ocorrer uma lesão periapical, uma bolinha que fica na pontinha da raiz do dente bem circunscrita, e que denota uma pequena destruição óssea localizada decorrente da “briga” das bactérias com as células de defesa do organismo. A lesão só é observada radiograficamente, quando aparece uma bolinha escura na ponta do dente. Esse tipo de lesão é crônica e denota que o organismo está conseguindo controlar a expansão da lesão, embora não tenha conseguido eliminá-la. O tratamento do canal removerá a maior parte das bactérias dando condições ao organismo para controlar as bactérias. Quando o tratamento de canal está satisfatório, a lesão vai diminuindo com o tempo e o osso vai ocupando novamente a região. Pode-se fazer esse controle por meio de radiografias tomadas de tempos em tempos.

O que acontece se a infecção se agravar?

Quando a infecção se torna aguda e o organismo incapaz de controlá-la acontece a formação de pus que pode drenar pela gengiva formando uma fístula, um caminho pelo osso e tecido mole para drenar a formação purulenta. A fístula se forma próxima ao ápice da raiz do dente envolvido. Quando o processo se torna mais grave ocorre o abscesso.

O abscesso periapical pode inicialmente ficar confinado às estruturas ósseas, e causa dor intensa sem qualquer inchaço visível. Ele avança através do osso até atingir os tecidos moles. Antes de formar o verdadeiro abscesso, a infecção torna os tecidos moles densos e duros. O paciente relata desconforto intenso, inflamação, inchaço e febre. O abscesso pode formar uma bolha amarelada, conhecida como ponto de flutuação que ao se romper forma uma fístula por onde o pus drena para o meio externo pela pele da face ou para o meio interno pela mucosa bucal. Quando o abscesso não drena espontaneamente o paciente deve procurar o dentista para realizar o procedimento. O dentista faz a higienização do local, anestesia, faz uma pequena incisão e sutura o dreno. O paciente devera ser acompanhado até a cicatrização da ferida.
O abscesso é grave e pode matar se localizado na mandíbula. O inchaço próximo ao pescoço pode obstruir as vias aéreas e matar por asfixia.
Para evitar pulpites e abscessos mantenha a higienização adequada sempre. Visite seu dentista regularmente, ele poderá diagnosticar e tratar as lesões muito antes de se tornarem doenças graves e perigosas.

Áreas odontológicas relacionadas

A especialidade odontológica mais indicada para o tratamento da Pulpite, necrose pulpar e do abscesso dento alveolar é a Endodontia.

13 respostas
  1. Ana Paula Bastos
    Ana Paula Bastos says:

    Coloquei um bloco dentário , nos primeiros 4 dias estava tudo bem. Após comer um hambúrguer e precionar o dente em tratamento ocorreu uma dor intensa e até hoje esse bloco me causa desconforto e dor !
    O que devo fazer ?

    Responder
    • Josafá Martins
      Josafá Martins says:

      Ligar no telefone 61 4103 3141 e marcar uma avaliação com um de nossos especialistas o mais rápido possível, essa avaliação é sem compromisso.

      Responder
  2. Carla
    Carla says:

    Em um jogo tomei um pacada na boca após 7 dias que extrair o dente ciso. A gengiva ficou inchada…Comecei a usar antibiótico e pensei que foi o que médico passou mas fui olhar direito e vi que não posso começar um novo tratamento com o remédio correto ??

    Responder
  3. Eduardo
    Eduardo says:

    Eu fiz um canal a 4 dias, no dia seguinte do canal, inicializou irritações, dores e desconforto. No segundo dia, inicializou um pequeno inchaço, o dente ainda doia, no terceiro dia doeu bastante e inchou mais! No 4 dia acordei com o resto totalmente estranho (muito inchado na parte onde fiz o canal), permaneci tomando o remédio indicado (diclofenaco potássico), porém não faz tanto efeito! Tomo ele de 8em 8 porém fica no máximo duas horas sem doer! Há e lembrando tbm nesse último dia (hoje) como inchou minha bochecha tem uma especie de bolha, porém não é circular, parece um palito de dente só que inchado!!! Não sei o que fazer, minha dentista pede pra mim aguardar! Peço que me ajudem

    Responder
  4. Laís Mazoroski
    Laís Mazoroski says:

    Meu dente da frente está escuro, fiz um raio x hj, a dentista ainda não olhou o resultado mais desconfia de necrose qual o melhor tratamento…estou desisperada pois é bem o dente da frente em cima..

    Responder
  5. Maria
    Maria says:

    Iniciei um tratamento de canal, só que a médica disse que precisou tirar o dente da gengiva, mas parecia que estava extraindo era a arcada dentária de tanta dor, e foi nesse procedimento que passei a sentir muitas dores , inchaço,o que deve ter acontecido?

    Responder
  6. Luana
    Luana says:

    Fiz um canal ano passado, porém não consigo tomar nada quente ou gelado, nem mesmo mastigo em cima do dente que fiz canal, porque tenho dores intensas se faço uma dessas coisas.
    Depois de um tempo, por fora da minha gengiva nasceu uma bolinha “dura” que dói quando eu aperto e deixa um certo inchaço próximo ao meu queixo.
    Não sei se a profissional era boa, mas tenho medo de fazer força ou “quebrar” o pseudo canal e sentir a dor que tive ano passado antes de colocá-lo. Até porque, quando sentia as dores, um lado do meu rosto praticamente paralisava de tanta dor.
    Sinceramente nem sei mais o que fazer.
    Preciso de ajuda para pelo menos saber o que eu posso fazer!

    Responder
  7. Helen
    Helen says:

    Ola Boa nte coloquei aparelho a quase 3 anos é recentemente descobri que perdi quase 5 dentes superior cm 24. 26. 16. 15 desses 24 e 16 são pinos coroa não sei mais o q fazer.

    Responder
    • Josafá Martins
      Josafá Martins says:

      Boa tarde,

      Sobre sua pegunta, não temos como lhe dar uma resposta sem uma consulta presencial com exames radiográficos, aconselho a ligar em uma de nossas unidades e marcar uma avaliação o mais rápido. Asa Sul 3964 3434 Asa Norte 3226 8484

      Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *